PALAVRA DA SEMANA

8 set, 2014
deniojunior

A BONDADE DE DEUS.

l TEXTO BÍBLICO: Tg 1.17. l

INTRODUÇÃO: A bondade de Deus se revela desde o início da bíblia, em que Ele cria o homem para proporcionar-lhe o desfrutar de uma vida deleitosa, daí o ter colocado no Éden, que quer dizer delícia ou deleite. Mesmo tendo caído em pecado, Deus provê para o homem um meio de redenção, em que a sua comunhão com o criador seria totalmente restaurada e o direito de vida eterna garantido.

(I) A BONDADE DE DEUS GARANTE O SUPRIMENTO DAS NOSSAS NECESSIDADES.

Como é que a bondade de Deus garante o suprimento das nossas necessidades?

Querido irmão, as suas necessidades são como um conta-gotas diante do oceano da provisão de Deus.

Primeira maneira: Pedindo – Mt 7. 7 a 11.

Essa é a maneira mais simples e básica de se ter o suprimento de todas as nossas necessidades. Basta pedir com fé e o nosso Deus e Pai é amoroso, misericordioso, benevolente e bondoso para nos suprir, aja vista está escrito em Ef 1.3 – “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com toda sorte de bênçãos espirituais nas regiões celestiais em Cristo”.

Quando você orar ao Pai lhe fazendo um pedido, peça com fé, pois Ele é poderoso para responder e fazer infinitamente mais do que tudo quanto você tem pedido ou pensado, segundo o Seu poder que em nós opera através do Espírito Santo que em nós habita, conforme está escrito em Sua Palavra em Ef 3.20.

Segunda maneira: Semeando – Lc 6.38.

A segunda maneira de termos o suprimento de nossas necessidades é semeando ou plantando.

Existem princípios na “lei da semeadura” que vale a pena lembrar:

1 – A colheita é sempre de acordo com a espécie de semente semeada, isto é, semeia-se amor, colhe-se amor; semeia-se misericórdia, colhe-se misericórdia; semeia-se ódio, colhe-se ódio e assim por diante.

2 – Nunca se colhe no momento da semeadura.

Diante disso, devemos exercer paciência e perseverança, porque normalmente queremos ter resultados imediatos, e não é assim que funciona.

Quero exemplificar: Quando geramos um filho espiritual em Cristo, o investimento que fazemos na vida desse novo convertido, geralmente leva meses e em alguns casos até mesmo anos para vermos a mínima maturidade cristã para estarmos em paz e despreocupados, não tendo mais o receio de que esse cristão se desviará do caminho do

Senhor. Há aqueles que dão resposta mais rápida, mas ainda assim, o retorno para o Reino de Deus em termos de frutificação não é imediato. Diante disso devemos ser pacientes e perseverantes e não desistirmos de investir oração, pastoreamento, discipulado, amor, etc., na vida do consolidado, até que ele se torne firme no Senhor e também gere novos filhos para Deus.

Ao se investir em um negócio financeiro, dizem os entendidos que o retorno financeiro não acontece nos três primeiros anos, que são considerados anos de plantio e não de colheita, em que o possível lucro que se tem deve ser totalmente reinvestido, para a partir do quarto ano é que realmente já se possa, por exemplo, trocar de carro, fazer uma viagem de férias.

Então, meu querido irmão, não desista diante das dificuldades quando você estiver semeando, persevere, pois a colheita é certa. Semea-se hoje para se colher no futuro.

3 – A colheita é sempre multiplicada.

Em Lucas 6.38 Jesus disse que a colheita é recalcada, sacudida e transbordante. É por isso que vale a pena perseverar, como já dissemos, porque quando vier a colheita, ela será abundante. Por essa razão podemos concluir que essa segunda maneira de ter o suprimento das necessidades é melhor, porque quem, por exemplo, está precisando de dinheiro, ao plantar dinheiro no Reino de Deus, colherá abundantemente mais do que plantou. Aleluias sete vezes por isso. Amem?

Terceira maneira: Priorizando o Reino de Deus – Mt 19.29; Lc 18.29.

Em Mt 19.29 Jesus disse que aquele que deixar tudo por amor dEle, receberá cem vezes mais o que deixou, sem contar a vida eterna. Já em Lc 18.29 Jesus disse que quem deixar tudo por amor ao Seu Reino, receberá muito mais nesse mundo, sem contar a vida eterna.

Quem renuncia tudo por amor ao Senhor Jesus, igualmente está em renúncia por amor ao Seu Reino.

Deixar tudo (casas, irmãos, irmãs, pai, mãe, cônjuge, filhos, terras, bens materiais, etc.) não é necessariamente abrir mão dessas pessoas ou coisas, mas sim dar a Jesus um lugar de prioridade acima de tudo, o que é visto por Ele como amor a Deus sobre todas as coisas. Isso tem muito mais a ver com a motivação do coração, mais do que qualquer outra coisa. É alguém que vive nesse mundo como se dele não fizesse parte. Quem vive esse padrão é o cristão vencedor.

Aquele jovem rico de Lc 18.18-25, ao questionar Jesus o que lhe faltava fazer para herdar a vida eterna, pois dizia praticar os mandamentos desde a sua mocidade, o Senhor lhe responde: “Vende tudo que você tem e dá aos pobres, então você terá um tesouro no céu, depois vem e me segue”. Ao ouvir tudo isso, ficou muito triste, porque era rico. Daí Jesus disse: “Quão dificilmente entrarão no Reino de Deus os que têm riquezas”.

Acredito que o Senhor Jesus não quisesse que o jovem renunciasse a sua riqueza, mas o confrontou para que ficasse revelado o seu apego aos bens materiais.

Conclusão: Das três maneiras mencionadas, inquestionavelmente a que mais retorno tem é a terceira, pois a promessa de Jesus é retribuir cem vezes (Mt 19.29) ou muito mais (Lc 18.29) aos que priorizarem o Seu Reino por amor dEle. Por essa razão, eu, Pr. Dênio Lara, vosso servo em Cristo, vos rogo a que priorizemos o Reino de Deus, colocando sempre a vontade de Deus em primeiro lugar, que é gerar filhos e filhas espirituais, e também investindo como primícias os nossos rendimentos na Sua obra, e então, como conseqüência, teremos o melhor de Deus nessa terra. Diante disso, não deixe de devolver como primícia na obra de Deus os primeiros 10% de cada rendimento, sem contar as ofertas voluntárias, de gratidão e também alçadas para o sustento e progresso da obra de Deus. Hoje somos 20 igrejas espalhadas, e o nosso alvo desafiador é sermos 300 igrejas até o final de 2020. A obra é de Deus e Ele é poderoso para fazer infinitamente mais do que pedimos ou pensamos, mas é necessário que priorizemos o Seu Reino. Conto com você, querido irmão Dínamus.

Obs.: De 8 a 28 de setembro estaremos em jejum de 21 dias, como costumeiramente fazemos todo semestre. Lembre-se, jejum é um tipo de oração intensificada, e você não pode ficar de fora. No domingo, dia sete de setembro, estaremos ungindo todos os irmãos e então entraremos num período de guerra por 21 dias, para maiores conquistas.

Com amor e encargo, Pr. Dênio Lara, vosso humilde servo em Cristo.